top of page

Ariano e a narrativa viva.

Por Fernanda Trigo Costa


“Toda aula precisa de uma narrativa.”

Ariano Suassuna por Mozart Neves Ramos.


Ouvi essa frase no início da semana e ela continua ecoando por aqui.


Atualmente, nos estudos sobre educação, demos um nome chique pra isso: “storytelling”. O que nada mais é do que contar uma boa história.


Na ideia de “construir” uma narrativa, fiz uma retrospectiva das minhas aulas, como aluna e como professora. E sim, os meus mais queridos professores eram ótimos contadores de histórias. Histórias alinhadas aos objetivos da aula, com personagens e situações que se encaixavam perfeitamente na discussão e reflexão necessária para trabalhar uma temática específica ou várias temáticas integradas.


Meus filhos estudam através de histórias. As letras, as formas, os números e o movimento, entre tantas coisas mais, surgem entrelaçados à trajetória de reis, fadas, animais da floresta, gigantes, deuses e, também, de pessoas comuns. O passado, o presente e o futuro ficam mais claros, compreensíveis e encantadores através das histórias, por mais cruéis e impactantes que sejam em muitas vezes.

Dei-me conta de que não consigo começar nenhuma aula sem, antes, contar algum fato, situação ou um conto. Ainda nem sei se essa prática funciona melhor para os alunos ou para mim. A cada narrativa, acredito descobrir algo em mim mesma. E quando as narrativas vão se cruzando, uma outra narrativa se costura e a história anterior incorpora novos elementos.


Sendo bastante ousada, eu diria a Ariano, mestre belíssimo, que tudo o que fazemos precisa de uma narrativa – e tenho certeza que ele concordaria comigo. Sem ela, não há motivos. A narrativa é o fio condutor que permite estarmos ligados ao que nos trouxe ao momento presente, ao mesmo tempo que norteia aonde queremos chegar.


Neste momento, no decorrer desta narrativa, meu peito se enche de gratidão por todas as pessoas que me contaram e contam suas histórias. Por todos aqueles que escutam as minhas.


E no eco da frase de Ariano, só desejo que possamos ser capazes de criar e contar nossas histórias com o devido brilho, sendo personagem ou apenas narrador, hora envolvidos, hora observadores, vislumbrando novas aventuras ou revisitando momentos de dor, alegria, conquistas e tropeços, aprendendo e honrando cada instante vivido. E que nossas histórias possam alimentar novas histórias, sejam contadas, reescritas e eternizadas no coração de quem for tocado por elas.


Toda vida precisa de uma narrativa.

59 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Jornada

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page